Make your own free website on Tripod.com
* E S T R E L A R *

Home

Poesias 1 | Poesias 2 | Poesias 3 | poesias4 | Poesias 5 | Poesias6 | Poesias 7 | Poesias 8 | Poesias 9 | Poesias 10 | Poesias 11 | Poesias 12 | Poesias 13 | Poesias 14 | Poesia para Crianças 1 | Poesia para Crianças 2 | Histórias 1 | Histórias 2 | Histórias 3 | Pensamentos | Mundo Cão e Adoção | Horoscopo virtual | Links e Dicas | email e Livro de Visitas
Poesias 8

*
*
*
*

Manuel Bandeira

Desencanto


Eu faço versos como quem chora
De desalento... de desencanto...
Fecha o meu livro, se por agora
Não tens motivo nenhum de pranto.

Meu verso é sangue. Volúpia ardente...
Tristeza esparsa... remorso vão...
Dói-me nas veias. Amargo e quente,
Caí, gota a gota, do coração

E nestes versos de angústia rouca
Assim dos lábios a vida corre,
Deixando uma acre sabor na boca.
Eu faço versos como quem morre...

Arte de Amar

Se queres sentir a felicidade de amar, esquece a tua alma.
A alma é que estraga o amor.
Só em Deus ela pode encontrar satisfação
Não noutra alma.
Só em Deus ou fora do mundo.
As almas são incomunicáveis.
Deixa o teu corpo entender-se com outro corpo.
Porque os corpos se entendem, mas as almas não.

Poesias 9